homens.jpg
Histórico Imprimir E-mail
Sáb, 11 de Julho de 2009 18:00

 

Matthew_Lipman.jpg

Filosofia para Crianças

é uma criação de Matthew Lipman que tem por base sua tentativa de dar novos sentidos aos conceitos de Filosofia, Educação e Criança. Filosofia para Crianças só pode ser compreendida no contexto da Filosofia da Educação do autor.
No final da década de 1960, Lipman fez um primeiro experimento de suas ideias, escrevendo uma história para crianças que tratava de problemas filosóficos. Filosofia para Crianças é uma criação de Matthew Lipman que tem por base sua tentativa de dar novos sentidos aos conceitos de Filosofia, Educação e Criança. Filosofia para Crianças só pode ser compreendida no contexto da Filosofia da Educação do autor.

No final da década de 1960, Lipman fez um primeiro experimento de suas ideias, escrevendo uma história para crianças que tratava de problemas filosóficos. Para ele, a filosofia pode ter uma versão numa linguagem acessível à criança. A leitura compartilhada destes textos tem por meta provocar perguntas sobre os assuntos de interesse das crianças que devem ser acolhidas pelo professor como ponto de partida para filosofar.A filosofia começa, diz Lipman, quando podemos discutir a linguagem que usamos para discutir o mundo.  Para desenvolver a idéia de Filosofia para Crianças, Lipman criouo que chama de Pedagogia da Comunidade de Investigação. Nesta perspectiva, a sala de aula tradicional deve se transformar numa Comunidade de Investigação com a participação ativa de crianças e professores no diálogo sobre os problemas em questão, ou seja, conceitos de fundo de nossa existência, aqueles que são centrais, comuns e controversos. O diálogo filosófico é a pedagogia do pensar bem, ou seja, um pensar crítico, criativo, ético e político. É nesta prática de filosofia que as crianças formam as atitudes democráticas, tornando-se cidadãos críticos, reflexivos e participantes do processo deliberativo.
Nas décadas seguintes, Lipman foi lapidando os conceitos básicos de Filosofia para Crianças e criou uma série de histórias que chamou de Novelas Filosóficas. Para cada novela ele escreveu um livro de orientação aos professores. O processo de formação do professor de Filosofia nesta abordagem é através da experiência da Comunidade de Investigação a ser recriada em cada sala de aula.
Uma grande colaboradora de Lipman na elaboração do extenso currículo de Filosofia para Crianças é a Dra. Ann Margareth Sharp. Juntos com um grupo de colaboradores fundaram, em 1973, o Institute for the Advancement of Philosophy for Children (IAPC), instituição vinculada à Universidade Estadual de Montclair, em Upper Montclair, New Jersey, EUA. O IAPC tem como objetivo desenvolver o currículo de Filosofia para Crianças, preparar os educadores para este trabalho através de programas de seminários, mestrados e doutorados, realizar pesquisas acadêmicas nesta área e oferecer orientações para a criação de Centros de Filosofia em outros países. A partir de meados da década de 70, Filosofia para Crianças teve grande expansão pelo mundo passando a ser conhecido, traduzido, adaptado e aplicado em todos os continentes.
Atualmente, inúmeros países trabalham com esta proposta adaptada à sua realidade. Alguns destes países são: Argentina, Armênia, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Bulgária, Chile, Costa Rica, Finlândia, Hungria, Islândia, Israel, Itália, Quênia, Lituânia, Malta, México, Holanda, Canadá, Nova Zelândia, Nigéria, Filipinas, Polônia, Portugal, China, Romênia, Rússia, Singapura, África do Sul, Coréia do Sul, Espanha, Suécia, Turquia, Inglaterra, Uruguai.
Filosofia para Crianças chegou ao Brasil pela Professora Catherine Young Silva, que fundou o Centro Brasileiro de Filosofia para Crianças (CBFC), em São Paulo, em janeiro de 1985. Coube ao CBFC a tradução dos materiais de Filosofia para Crianças, difusão da proposta e a preparação dos professores. Desde o início, os bons resultados dos trabalhos com Filosofia para Crianças serviram de estímulo para outras escolas implantarem a proposta. Uma experiência bem sucedida foi realizada nas Escolas Públicas de São Paulo, com orientação do Prof. Dr. Marcos Lorieri, então professor da PUCSP e coordenador do CBFC. A medida que o Programa Filosofia para Crianças foi sendo conhecido, sobretudo pelos relatos de experiências, criou uma demanda maior de de escolas e professores interessados em formação. Na década de 90 foram criados  centros de formação de professor em diversas cidades brasileiras: São Paulo/ /SP, Campinas/SP, Ribeirão Preto/SP, Florianópolis/SC,  Curitiba/PR, Belo Horizonte/MG, Petrópolis/RJ, Cuiabá/MT, Brasília/DF, Recife/PE, São Luis/MA.
Em 1995, foi criado o Centro Paranaense de Filosofia e Educação para o Pensar, em Curitiba/PR, que atuou na difusão de Filosofia nas Escolas do Paraná e região. Desde 1996, este centro atua em parceria com a Fundação Sidónio Muralha, poeta português que produziu parte de sua obra destinada às crianças no período que viveu em nossa cidade.
Filosofia para Crianças revelou-se um paradigma filosófico-educacional capaz de contribuir significativamente na formação filosófica de crianças, adolescentes e jovens, tanto no âmbito da educação formal (Educação Infantil e Ensino Fundamental e Médio) como não formal. Milhares de educadores conheceram e adotaram as bases teóricas e metodológicas desta abordagem filosófica melhorando consideravelmente sua prática. Muitos passaram a ter outro olhar sobre a filosofia e a educação e continuaram sua formação quer autonomamente, quer ingressando numa graduação de filosofia, especialização, mestrado e doutorado. Milhares de crianças tiveram a chance de ser iniciadas nas questões filosóficas através da experiência da Comunidade de Investigação de forma mais sistemática.
A relevância de Filosofia para Crianças se prova também pelas críticas que lhe são dirigidas. Elas apontam erros e limites como o problema do viés comercial e da organização institucional assumida, a formação insuficiente dos professores, o modismo, o questionamento sobre a possibilidade da criança ter acesso à tradição sistematizada da filosofia, o recorte filosófico desta concepção de filosofia e a influência cultural e ideológica subjacentes principalmente nos materiais didáticos, o caráter técnico dos mesmos, a desatualização e até mesmo a validade do formato destes materiais, a perda de identidade da abordagem pelo seu uso na forma de clichês ideológicos, dentre tantas outras. Muitas destas críticas são feitas pelos próprios construtores deste paradigma. Podemos também nos questionar se estas críticas, nas devidas proporções, não poderiam ser feitas a tantos outros trabalhos em nome da Filosofia.
Considerando os aspectos mencionados, Filosofia para Crianças é um capítulo importante na história do ensino de Filosofia no Brasil, especialmente por difundir valores e sentidos da filosofia na formação de crianças e adolescentes da Educação Básica. Certamente esta abordagem não esgota as possibilidades de se fazer filosofia, é apenas uma delas. Aponta caminhos que ainda estão por ser trilhados.
 

LAST_UPDATED2
 

Login



Enquete

O que você gostaria de ver mais no portal FSM/IFEP
 

Registro de Visitas

Visualizações de Conteúdo : 650339